Gato Fedorento

domingo, maio 04, 2003

PJ NA TVI, JÁ! A nossa leitora Patrícia Gomes chamou a atenção para o seguinte facto: na quinta-feira, 1º de Maio, a TVI transmitiu uma emissão especial directamente da Casa Pia. As crianças levaram com seis horas de Carlos Ribeiro, Toy, Ana Malhoa e quejandos. Sinceramente, depois de tudo o que lhes aconteceu, a TVI podia ter mais consideração pelos petizes. ZDQ
posted by Gato 11:59 da tarde

MULHERES E FUTEBOL: No rescaldo (como gosto desta palavra, faz lembrar sopa fria) do Benfica - Sporting, Charlotte, a minha amiga Bomba Inteligente, fala de futebol. Usa a imagem dos "22 homens a correr atrás de uma bola". Eu tenho apenas um reparo a fazer: de uma vez por todas, não são 22 homens a correr atrás da bola. São 20. Os guarda-redes estão lá quietinhos. ZDQ
posted by Gato 1:09 da tarde

A LIVRARIA DE JORGE SILVA MELO: Ainda a propósito do desgosto que Jorge Silva Melo teve quando descobriu que nem todos os empregados de livraria conhecem “O Nariz” de Gogol, é altura de dizer que o encenador tem direito à indignação. Em Londres, ele vibrou com um empregado de livraria que lhe recomendou obras de grande envergadura que ele próprio desconhecia e, por cá, é o que se vê. Resta-lhe o consolo de adormecer e poder sonhar com a sua livraria ideal: ele entra e, logo à esquerda, encontra Manuel Maria Carrilho atrás do balcão da secção de filosofia; à direita, na secção de ficção, lá está o solícito Eduardo Prado Coelho ainda a receber o troco de um pobre cliente, a quem recomendou o último de Mafalda Ivo Cruz; mais à frente, Pedro Mexia está a colocar no expositor as últimas novidades no que diz respeito à poesia portuguesa... Jorge Silva Melo só não sonha mais, porque já é de manhã e o alarme toca. “Ai, ainda falta tanto para logo à noite, para poder voltar a sonhar...” MG
posted by Gato 1:33 da manhã

OUTRA VEZ O BIFIDUS: Quanto mais reflicto sobre os iogurtes com bifidus activo (e todos os dias tento guardar sempre um espaço para essa actividade, nem que seja só meia-hora, para não perder o hábito), mais convencido fico que a presença desta substância atinge contornos de conspiração. A indústria dos lacticínios já conseguiu convencer as nossas mulheres que a ingestão daqueles iogurtes são um passo imprescindível para renovar a flora intestinal. Qual será o próximo passo? Temo bem que seja - partindo da premissa de que as plantas crescem quando nós falamos com elas - convencer-nos que devemos passar a entabular longas conversas com os nossos próprios traseiros para que a flora intestinal se multiplique. Nessa altura, aposto que toda a gente vai querer começar a reflectir à pressa sobre este tema. Mas aí não será já tarde demais? MG
posted by Gato 1:32 da manhã

SIM, EU SEI QUE TUDO SÃO RECORDAÇÕES: Nos bons velhos tempos em que, por estar à frente de um partido, Manuel Monteiro tinha muito mais exposição pública, ouvi-o criticar determinada medida do governo dizendo que, por causa dela, o ano lectivo português iria começar “coxo e manco”. Confesso que acarinho esta memória. Monteiro era, como creio que todos se lembram, um sofisticado artífice da língua, e esta frase é, talvez, a melhor demonstração do seu talento para a oratória. Por um lado, a personificação do ano lectivo, a que Monteiro, habilmente, atribui características do ser humano, faz com que quase consigamos vê-lo, feito homem, à nossa frente. Imaginamos o ano lectivo português a coxear (e a mancar), triste, enquanto os anos lectivos estrangeiros, que não coxeiam (nem mancam), lhe atiram pedras e dizem: “Sai daqui, ó coxo e manco”. Por outro lado, Monteiro percebeu que dizer duas coisas é sempre melhor do que dizer só uma, mesmo quando essas duas são a mesma, como é o caso nesse prodígio sintáctico que é “coxo e manco”.
Monteiro é um homem que – sente-se – leu atentamente o Padre António Vieira. E é por isso que eu quero aqui dizer e afirmar, agora e neste momento, que aprecio e gosto do Manuel Monteiro e do ex-líder do PP. RAP

posted by Gato 1:20 da manhã

sábado, maio 03, 2003

A CALAR MUITAS BOCAS: A esquerda faz pouco de Manuel Monteiro. Boa parte da direita, também. Que é um pateta, que o movimento que fundou é um grupelho ridículo, que é um pateta, que não tem uma única ideia política minimamente respeitável e a ter em conta. Há ainda quem diga que é um pateta. Mas o que é certo é que Manuel Monteiro está à frente no campeonato de palpites de futebol do Expresso. RAP
posted by Gato 11:35 da tarde

DEMÊNCIA ESLOVENA: Não vou falar aqui do Benfica – Sporting. Mas tenho uma dúvida: como é que o Zahovic, que vai ao chão com um empurrão, espera conseguir tirar desforço do João Pinto, um gajo que já provou ter tomates para bater até num árbitro? Zahovic, ‘tá quieto, pá. ZDQ
posted by Gato 8:49 da tarde

sexta-feira, maio 02, 2003

11 MINUTOS JÁ É MUITO: No seguimento do post do MG, descobri porque é que o novo livro do Paulo Coelho se chama "11 Minutos". É o tempo que uma pessoa que o começa a ler demora até perceber que o livro é mais do mesmo. E tão mau como os outros. ZDQ
posted by Gato 1:26 da manhã

ATÉ QUE ENFIM: O problema do bifidus activo, que o Miguel Góis teve a coragem de abordar no post anterior, é apenas mais uma discussão que está por fazer na sociedade portuguesa. Confesso desde já que, na temática dos lacticínios, não sou especialista. Há-os em Portugal, e bons, mesmo sem contar com Nuno Rogeiro, que é especialista em todas as temáticas. Há vasta bibliografia sobre o tema e Eduardo Prado Coelho certamente que a conhece e já resenhou as principais obras. Mas, munido apenas da lógica, deixo aqui um contributo para o debate: a designação “bifidus activo” pressupõe a existência de um bifidus passivo. Esta é que é a questão central, e tem sido escamoteada porque levanta problemas embaraçosos e toca num tema tabu: será que o bifidus activo e o bifidus passivo estão juntos no iogurte? E, se sim, será que fazem coisas lá dentro? Por outro lado, devem eles poder casar e adoptar Danoninhos? (OK, esta última questão já é parva, mas as outras são pertinentes e gostava de as ver esclarecidas.) No fundo, a interrogação que paira sobre a cabeça de todos é esta: o que albergamos nos nossos frigoríficos é uma inocente embalagem de leite coalhado ou um despudorado quarto escuro lácteo para micro-organismos larilas? Fica a dúvida. RAP
posted by Gato 1:23 da manhã

BIFIDUS: É com galhardia que assumo que nunca comi um iogurte com bifidus activo. Nem hei-de comer. Não sei porquê, mas não gosto da ideia de haver malta a correr, de um lado para o outro, dentro do meu corpo. MG


posted by Gato 1:13 da manhã

JÁ FALASTE COM A TUA AGÊNCIA?: Quando apareceu, o anúncio era muito bom. “Já falaste com o teu banco?” “Não. Falei com o teu.” Mas, passado tanto tempo, a coisa já enjoa. Há meses e meses que somos massacrados com todas as variantes possíveis da ideia original. Nem sei como é que as agências publicitárias dos bancos concorrentes ainda não se lembraram do seguinte pastiche...
(Música com violinos)
Filho: Ó pai, esta é a casa que eu e a Laura vamos comprar.
Pai: Ai é? Parabéns, filho! Mas como é que conseguiste? Falaste com o teu banco?
Filho: Falei.
Pai: (SURPREENDIDO) O quê?
Filho: Falei. Porquê?
Pai: Hum... Nada, nada. MG
posted by Gato 1:12 da manhã

quinta-feira, maio 01, 2003

ISSO É DE VESTIR?: Um artigo de Jorge Silva Melo (comentado no Blog de Esquerda), que referia a falta de cultura livresca dos empregados de livraria, fez-me pensar. “Onde é que eu já terei ouvido isto?” Não foi preciso reflectir muito: vasculhando o baú da minha avó, descobri lá a correspondência do meu bisavô, que eu já tinha lido. Era nisto que eu estava a pensar:

“Caríssimo. No outro dia, por causa do casamento do filho dos Sousa Coutinho, precisei do meu fraque. Acontece que, ultimamente, virtude de me andar a cortar às caçadas, ganhei alguns quilos no lombo. Por isso, rasguei o colete mal me dobrei para apalpar a criadita - é verdade, tem de ir lá a casa experimentar a gaiata, roliça à séria! Não podendo mandar vir o meu alfaiate – o malandro parece que está outra vez com bronquite, diz ele que do giz, mas eu desconfio – tive de me dirigir a um pronto a vestir. Experiência horrível! No primeiro, perguntei por um colete para fraque e disse que tinha de ser creme, fazenda fina e botões forrados. O homenzinho olhou-me com tal ar de azémola, que só me apeteceu chibatá-lo. “Colete de Fraque? Isso não é de comer?” Com alguma paciência – que a nossa condição superior não é em vão, é preciso educar – respondi-lhe que não, que não era de comer, era de vestir. “Mas isso está na moda? Não quer antes estes corsários, pela canela (sic)? Acho que iam muito bem com o seu tom de pele.” “Não, desejava mesmo o colete. Não sabe onde o posso adquirir?” Respondeu o insolente: “Talvez naquele armazém lá ao fundo... assim como assim, só têm peças fora de estação. Vá lá.”
Fui. Não tinham. Tentaram impingir-me um colete de malha. Imgaine! Voltei para casa, desconsolado. Enquanto o choffer me guiava de volta à quinta, recordei, aquando da minha última estada em Londres, uma visita a uma lojinha na Saville Row, onde tinha divagado com um dos caixeiros, por horas a fio, sobre vários temas. A jaqueta e o corte inglês e os sapatos certos a usar: atacadores ou fivela? O tweed irá algum dia sair de moda? Roupa de caça: como ir correctamente ao javali?
Que conversa agradável! Que erudição! Apesar de ser visível a baixa condição do rapaz, durante aquele diálogo, quase que o considerei um igual.
Que pena que, na minha Lisboa, não consiga arranjar disto. Em vez de raiva, tive antes pena. Lamentei, cá para mim, as misérias da vida que põem brutos alegremente ignorantes a trabalhar numa loja de roupa e não a bulir atrás do arado ou a partir pedra. (...)”


Noutra oportunidade, postarei aqui outra carta deste amigo do meu bisavô. É um relato triste da morte do seu alfaiate e do drama que o senhor viveu depois. Parece que o alfaiate deixou por terminar cerca de oito fatos novos! Jorge Silva Melo, como eu o compreendo. ZDQ
posted by Gato 11:28 da tarde

BOM SENSO: Ontem assisti a uma cena incrível. Estava numa esplanada e vi uma criança a chorar. Devia estar perdida. Chamava por uma mãe ausente. Não devia ter mais de 7 anitos. Começou-se a dirigir para mim. Provavelmente por ser o adulto mais perto dela. Chorava muito, já estava encarnada. Pisguei-me logo, não fosse alguém pensar que eu estava a abusar, ou isso. Não lhe deve ter acontecido nada. Pelo menos, não apareceu notícia nenhuma nos telejornais. ZDQ
posted by Gato 8:05 da tarde

PARQUE MAYER: O Santana Lopes que aproveite o ensejo e mude TODO o Parque Mayer para o Cais do Sodré. De qualquer maneira, parece-me que já era junto da marujada que os artistas de revista iam acabar a noite... ZDQ
posted by Gato 7:24 da tarde

CRUZES!: Os nossos amigos do Cruzes Canhoto, apesar de serem de esquerda, têm razão. O link estava errado. Tentem agora. Eu sei que qualquer pessoa que já tentou efectuar um post com mais de 10 links compreende porque é que me enganei. Vá lá que o link não remetia para um site daqueles que a PJ vigia... Desculpem, canhotos. ZDQ
posted by Gato 4:10 da manhã

COMO EU COMPREENDO A VERONIKA: Aparentemente, aqui há tempos, Umberto Eco disse que emocionou-se muito com “Veronika decide morrer” de Paulo Coelho. A Eco só resta uma saída digna: pôr as culpas numa garrafa de Chianti. Em relação ao livro propriamente dito, contaram-me que a alternativa da Veronika era ler a obra completa do Paulo Coelho. MG
posted by Gato 1:18 da manhã

DEMOCRACIA POR TELEPATIA: Já estou farto de ouvir militantes do PCP perguntar: “Porque é que os EUA atacaram o Iraque e não atacam a Coreia do Norte?” Caros amigos, os americanos podem ter muitos defeitos, mas só atacam regimes ditatoriais. Não atacam democracias. MG
posted by Gato 1:17 da manhã

OS MAIS INFLUENTES: Em relação à lista da Visão com as 200 personalidades mais influentes do país, só concordo com 199. Jorge Sampaio??? Por amor de Deus! MG
posted by Gato 1:17 da manhã

quarta-feira, abril 30, 2003

DISCOTECA PELA IGREJA: Se há coisa de que eu não gosto nada é de discotecas. Aliás, de discotecas e de tudo o que tem que ver com discotecas. Como o casamento, por exemplo. O casamento é a coisa mais parecida com uma discoteca que pode existir: ao princípio está sempre tudo porreiro, é tudo muito giro, mas em menos de nada as pessoas já só se entendem aos gritos. TD
posted by Gato 8:26 da tarde

AS LOURAS E OS SEM-ABRIGO: Para pôr um ponto final naquelas recorrentes e intermináveis discussões tipo:
- Desculpa, mas as louras são tal e qual os sem-abrigo!
- Tem paciência, mas não são!
- São, sim senhora!
- Não são!
- São!
- Não são!
- São!
- Não são!
(indivíduos envoltos numa densa nuvem de pó, insultando-se de *+%&!, $#*!!, §«$%!!! e afins),
aqui fica a prova que as louras não são iguais aos sem-abrigo. O sem-abrigo, como não lhe dão crédito, anda à caça do cartão para ter onde dormir. A loira, não olha a onde tem que dormir desde que consiga caçar o cartão de crédito. TD
posted by Gato 8:10 da tarde

ASSIM NÃO: Ontem, ao contrário do que é habitual, o programa “Escândalos e Boatos” não teve aquela qualidade que fez de mim um espectador fiel. Sem querer apontar dedos, a culpa foi de José Figueiras. Desconcentrado, hesitante e pouco objectivo, Figueiras não soube ter mão no programa, e isso reflectiu-se no pouquíssimo tempo que os convidados tiveram para falar. Simara abordou muito pela rama a área em que é especialista (a cristaloterapia) e Zezé Camarinha, constantemente interrompido pelas convidadas e pelo público, acabou por não ter oportunidade de explanar o seu raciocínio. Salvou-se a frase da noite, proferida pelo mesmo Camarinha: “Ó Paula, mas quais é os homens a que tu estás-te a referir-te?” Já não é mau. RAP
posted by Gato 2:15 da manhã

HEI-DE MAIL: Já dissemos que não publicamos love mail nem hate mail. Mas publicaremos hei-de mail. O que é o hei-de mail? Simples. Enquanto que o hate mail se limita a insultar, o hei-de mail é onde o leitor realmente lixado nos vai ameaçar. “Eu hei-de vos dar um tiro! A vossa família há-de ver! Hei-de esfolar esse Gato!” Agora, pedimos aos remetentes de hei-de mail para serem, no mínimo, originais e ameaçadores. Portanto: ameaçar com chapada ou murro não dá nada; facada dará menção num post; meter a família ao barulho é sucesso garantido. É por aí.
Não temos a pretensão de ser assim tão ofensivos e provocadores, mas já se sabe que há gente com muito tempo livre. ZDQ

posted by Gato 1:10 da manhã

SEIOS: Como dissemos – ou não, já não me lembro, o post está muito lá para baixo – responderemos aqui às questões que nos mailarem. Não publicamos elogios (estão a ver, agora ficam a achar que recebemos alguns! wink, wink) nem insultos (como se houvesse audácia...). Resumindo: nem love mail, nem hate mail – embora possamos abrir excepções para hei-de mail, que explicarei noutro post. Serve este intróito para apresentar a resposta ao nosso PRIMEIRO mail curioso.
Escreve a Patrícia Gomes: “No blog Gato Fedorento podem ler-se as seguintes palavras: "Aqui serão abordados diversos temas, com destaque para estes: literatura, política, seios femininos, cinema, a carreira de Tonicha (em especial o período que medeia entre 1977 e 1981) e futebol".
Se o conceito do blog e a respectiva execução pareciam bem razoavelmente conseguidos até então, com esta frase vocês quase MATARAM (o futuro o dirá) o projecto ainda recém-nascido. Seios femininos? Estão interessados em algum ramo da cirurgia plástica? É isso? Ou será que nunca viram e querem expandir horizontes? Irão discutir tamanhos, copas e formatos?
Por amor de Deus, rapazinhos, fiquem-se pela carreira da Tonicha, isso sim, um assunto verdadeiramente interessante".

E a Patrícia tem, como qualquer pessoa que nos escreve, razão. Ao reduzirmos todo o universo dos seios femininos a uma simples enumeração no meio de outros itens, íamos matando o Gato. Realmente, o seio feminino é, por si, um capítulo à parte. Verá isso pela cadência de posts que dedicamos ao assunto.
Respondendo directamente às questões da Patrícia: a) sim, estamos interessados na cirurgia plástica, nomeadamente: porque é que há tantas mulheres com pejo em usá-la? b) Alguns de nós já viram seios. Fizemos este blog, acha que não temos a proficiência suficiente da Internet para ver seios? Não só vemos seios como vemos também – e se isto não é expandir horizontes... – barely legal, old & bushy, really wild life e outros. c) E, sim, vamos discutir tamanhos, copas e formatos. Um grande beijinho, Patrícia. ZDQ
posted by Gato 12:20 da manhã

VOYEURISMO LITERÁRIO: Na última edição da revista “Os Meus Livros”, num daqueles obsidentes inquéritos a figuras públicas sobre os seus hábitos de leitura, faz-se a pergunta que todos nós sonhámos fazer a José Rodrigues dos Santos, mas nunca tivemos uma oportunidade: “Guarda o(s) livro(s) ao pé da cama?” O absurdo é tão grande que eu só tenho uma explicação: o mentor de tais questões é obviamente alguém que se excita sexualmente com a descrição pormenorizada dos rituais que rodeiam a leitura de um livro. Ou seja, as perguntas deste tipo de inquéritos (uma das minhas preferidas – e que tem inquietado sucessivas gerações de leitores – é a clássica “Sublinha os livros a caneta ou a lápis?) são claramente decalcadas do imaginário sexual: “O que tens vestido?” é substituído por “Quando compra um livro, a capa desempenha um papel importante?”; “Estás a tocar em ti próprio(a)?” por “Costuma fazer anotações nos livros?”; “És capaz de ter sexo com alguém que não conheces?” por “Antes de comprar um livro, procura informar-se sobre o seu conteúdo?” Trata-se de uma perversão que substitui o impulso de espreitar pelo buraco da fechadura do quarto pelo de espreitar pelo buraco da fechadura da biblioteca. Pessoalmente, já tomei duas decisões: primeiro, nunca responderei a esse tipo de inquéritos, como forma de prevenir que alguém se entregue a práticas onanistas enquanto passa os olhos pelas minhas respostas; segundo, da próxima vez que frequentar livrarias e bibliotecas públicas vou ser muito mais discreto na forma como vou manusear as publicações, não se vá dar o caso de estar a ser observado por alguém equipado com um potente par de binóculos. Em todo o caso, aqui ficam algumas sugestões para outras perguntas que faz falta fazer neste tipo de inquéritos:
- Anota os livros com lapiseira ou com lápis? Caso seja com lápis, opta pelo tradicional nº2 ou arrisca o polémico nº3?
- Quando perde um livro de que gostava muito, junta os seus familiares e amigos mais próximos para uma pequena cerimónia fúnebre?
- Quando está a ter relações sexuais, de vez em quando, olha de soslaio para a pilha de livros que está em cima da sua mesa de cabeceira? MG

posted by Gato 12:18 da manhã

terça-feira, abril 29, 2003

AGRADECIMENTOS: Temos recebido muitos mails de incentivo, assim como product placement gratuitos (espero), por parte de outros camaradas bloguistas – sim, camarada é uma palavra salutar, não é por ter sido esbulhada pelos comunistas que vou deixar de a usar. É da tropa! Portanto, à Bomba Inteligente, ao Tradução Simultânea, ao Espigas, ao Blog de Esquerda, à Coluna Infame, ao Cruzes Canhoto, ao Contra a Corrente, aos Marretas, à Memória Inventada, à Papoila, ao Protensao, ao Pequeno Ser , às Crónicas Matinais, ao País Relativo e ao Prazer Inculto – espero não me esquecer de ninguém – o nosso agradecimento. Foi ao lê-los que pensámos em fazer este blog: no meio do granel, pode ser que ninguém repare em nós. Além disso - e isto é pessoal - se toda a gente o faz, porque não nós? Este raciocínio lançou-me no mundo da droga e até agora não me dei mal.ZDQ
posted by Gato 11:48 da tarde

DE GÉNIO: Santana Lopes decidiu construir o Casino do Parque Mayer no Cais do Sodré. Cheira-me que a próxima decisão vai ser construir o túnel das Amoreiras no Campo Grande. RAP
posted by Gato 10:33 da tarde

FINALMENTE, OS SEIOS FEMININOS! O post que definiu os princípios orientadores do Gato Fedorento estabelecia, claramente, a temática "seios femininos" como um dos pilares fundamentais deste blog. Ora bem, cá estão eles! É impressão minha ou, aqui há tempos, correu por aí que a Pamela Anderson ia tirar os implantes de silicone? É que ainda hoje estive a dedicar algum tempo a esta problemática e cheguei à conclusão que os seios da Pamela estão ainda maiores do que depois do primeiro implante! Ou muito me engano ou a Pamela Anderson anda a fazer com os implantes o mesmo que qualquer indivíduo (à excepção, claro, daqueles que apreciam imenso as músicas do Elton John) gostaria de fazer com a famosa actriz: pôr e tirar, pôr e tirar, pôr e tirar... TD
posted by Gato 8:42 da tarde

CONSPIRAÇÃO: Os jornais não dizem uma palavra sobre isto, mas o lobbie dos lacticínios é dos mais poderosos que existem no nosso país. Há anos que toda a estratégia governamental é definida pelos interesses desse influente lobbie. Senão vejamos: o Guterres estava dependente do queijo Limiano; o Durão está nas mãos dos copos de leite do PP. MG
posted by Gato 5:16 da tarde

QUE AS VAI HAVER, VAI: George W. Bush e Tony Blair voltaram a afirmar que é uma questão de tempo até encontrarem armas de destruição maciça no Iraque. Parece que é só mesmo o tempo do B52 chegar a Bagdade com os barris de gás VX e as ogivas nucleares e depois arranjarem um sítio porreiro para enterrarem o material. TD
posted by Gato 3:24 da tarde

DIOGO MORGADO, EU?: Acabo de receber para mais de três mails de leitores a chamarem-me Diogo Morgado. Dizem que um tal de Augusto Gil já tinha escrito uma coisa muito parecida, chamada “Balada da Neve”. Por acaso fui ver. Parece que sim, que há uma coisa do género da minha. Eu até sou capaz de a ter ouvido, quando era pequeno, mas foi há tanto tempo que nem me lembro. E nem a ouvi toda! Além disso, a minha chama-se “(Tr)ova da Neve” e não é uma poesia, é um texto de prosa. E a do tal de Gil começa “Batem leve, levemente”. A minha começa “Batem batem, levemente”! Realmente, é querer ser picuinhas! Acho que é tudo inveja, por eu ter só 25 anos e escrever com esta qualidade. Não me chateiem, mas é! ZDQ
posted by Gato 2:34 da tarde

PROSAS QUE VOS SALVAM: Este regresso da chuva pôs-me a melancolizar. Sempre que isso acontece, pego no meu caderninho e saem coisas destas...

“(Tr)ova da Neve”

Batem batem, levemente, como quem chama por mim. Será chuva? Será gente? Gente não é, certamente, e a chuva não bate assim. É talvez a ventania. Mas há pouco, há poucochinho, nem uma agulha bulia na quieta melancolia dos pinheiros do caminho... Quem bate, assim, levemente, com tão estranha leveza, que mal se ouve, mal se sente? Não é chuva, nem é gente, nem é vento com certeza...

Gostaram, não gostaram? ZDQ
posted by Gato 2:31 da tarde

AGAIN?!?: Outra vez no Chiado, outra vez aquilo cheio de gente. Bem sei que “o trabalho liberta” não traz boas memórias, mas não me parece que seja por isso que aquela malta que está no Chiado, a varrer o imbecil, prefira o “liberte-se do trabalho”. ZDQ
posted by Gato 2:26 da tarde

TERRENO ARÁVEL: Ainda na sequência da última notícia de capa do Independente, sobre as ilegalidades cometidas pelo ex-presidente da Câmara de Cascais, José Luís Judas, tive acesso a um estudo interessante. Diz o mesmo que o concelho de Cascais é, em todo o país, aquele com mais rendimentos provenientes da agricultura: para aquelas bandas plantam-se prédios por toda a parte! O que não é de admirar. Ao contrário das outras culturas, o prédio dá-se bem em qualquer terreno e, segundo ouvir dizer, o fiscal das obras está mais barato que o litro de fungicida para o míldio. TD
posted by Gato 11:50 da manhã

O JARDEL: Com isto de ser castigado e de não poder jogar contra o Benfica, é desta que o Jardel fica doido de vez. A partir de agora não se admirem se, qual esquizofrénico, o Jardel se começar a referir a si na terceira pessoa, mas do plural. ZDQ
posted by Gato 10:04 da manhã

ESCLARECIMENTO IMPORTANTE: O Gato Fedorento não tem rigorosamente nada que ver com as Produções Fictícias. É certo que os fedorentos escrevem textos para essa empresa, mas isso é uma história à parte. No universo dos blogs, o que é que interessa a actividade que, para pôr o pãozinho na mesa, cada um leva a cabo de dia? Ou de noite? São questões pertinentes que deixamos no ar, para reflexão.
posted by Gato 3:11 da manhã

FANTÁSTICO: José Mourinho prevê que o jogo da final da Taça UEFA seja “fantástico”. No final do jogo com a Lazio ele estava feliz por ter ganho num ambiente “fantástico”. Mas não esqueceu o Boavista, cujo trajecto nas competições europeias foi “fantástico”. Para ele, o jogo do Porto com o Panathinaikos já havia sido “fantástico”. Mas nas Antas ele tinha avisado logo à partida que o público grego era “fantástico”. Em Março, ele já tinha elogiado a comunicação social, por ter criado para o Benfica-Porto um ambiente “fantástico”. Recorde-se que, para Mourinho, no jogo contra o Lens, Paulo Ferreira tinha estado mais maduro e “fantástico”. E é importante não esquecer que, depois do jogo com o Denizlispor, Mourinho considerou que o facto de ter conquistado três pontos para Portugal no ranking da UEFA era “fantástico”. E por aí fora. O mundo do futebol tem um novo bordão. Que saudades do “portantos”... RAP
posted by Gato 3:09 da manhã

EXCLUSIVO: A crónica que Clara Ferreira Alves vai publicar no Expresso do próximo sábado veio ter à caixa de correio do Gato Fedorento por extraordinário bambúrrio. (Evidentemente, a frase anterior não passa de um pretexto para usar a palavra bambúrrio, pela qual sempre nutri especial afeição.) O Gato Fedorento não resiste a publicar antecipadamente o texto:

Ontem, pus-me a pensar no meu amigo Salman. Tenho saudades dele. Ir visitá-lo a Londres é complicado. A agenda dos grandes escritores é muito preenchida, mas ele aceita bem isso e não me leva a mal. A outra hipótese era ele vir visitar-me a mim, mas os seguranças não me cabem cá em casa por causa dos livros. A propósito, há mais de duas crónicas que não escrevo isto: eu tenho imensos livros, não se esqueçam. De modo que falamos quase sempre por telefone. Foi assim que lhe ditei os últimos dois capítulos do Fury. O pior foi quando chegou a conta da PT. Salman, arranja um e-mail, por favor!
Para me distrair, reli pela 3486ª vez a Madame Bovary. A insatisfação de sempre: as margens da minha edição são demasiado estreitas, e não tenho espaço para fazer todas as emendas de que a prosa do Flaubert precisa. Ainda no outro dia me dizia o Zé: “Ó Clara, quando é que acabas de me rever o romance?” E eu: “Tem calma, Zé. Isto está uma salgalhada sem interesse nenhum. Se eu não te tenho posto as mãos n’ O Ano da Morte de Ricardo Reis para dar a volta àquilo, tinhas publicado um livro sobre o heterónimo do António Aleixo que era canalizador.” Coitado do Zé. É um simplório, mas eu gosto dele. Tem muita sorte se lhe entregar o livro a tempo de sair no Natal, por causa das obras. Quero voltar a pintar a casa daqui a três anos, o que significa que tenho que começar já a empacotar os livros, para que possam estar todos devidamente acondicionados em 2006. Não sei se já disse, mas eu tenho muitos livros.
Como me apetecia descontrair, reli o Guerra e Paz em 25 minutos, enquanto jantava. Depois fez-se tarde e deitei-me. Pus-me a dar uma vista de olhos a uma colecção de New Yorker antigas que o Martin Amis me ofereceu. Tudo muito ligeirinho, são boas para acender o lume. Não sei como é que há gente que copia aquilo.
Apago a luz para dormir mas ainda não é desta: à meia-noite em ponto entra-me no quarto o fantasma do Shakespeare. Às segundas, quartas e sextas, aparece em minha casa; às terças, quintas e sábados aparece na do Harold Bloom. “Que queres desta vez, William?” Normalmente vem pedir-me por tudo para que eu não publique os meus romances, senão ele deixa de ser a figura mais admirada de sempre da literatura mundial. Até agora tenho feito a vontade ao velho Bill, mas já não vou tendo gavetas onde guardar tanto manuscrito genial. Porém, desta vez, o problema é outro: perdeu a minha crónica da semana passada e quer saber se eu lhe arranjo uma cópia. O Chaucer, o Marlowe e o Donne querem passar um bom naco da eternidade a discutir as minhas teorias sobre o expressionismo alemão e ele, como não leu o texto, está fora da tertúlia. “Toma lá e vai-te embora, pá. Deixa-me dormir.” Ele lançou-me um olhar de admiração e inveja e desapareceu.
Só mais uma coisa, para o caso de não terem percebido onde é que eu queria chegar com esta história: neste país, toda a gente é idiota menos eu e os meus amigos. E mesmo pelos meus amigos eu não ponho as mãos no fogo.
RAP

posted by Gato 2:30 da manhã

PISCAR DE OLHOS: "Comecei por hesitar, por pensar duas vezes". Mas cá vai. Um dos infames, Pedro Lomba, conta que, durante a cerimónia parlamentar da celebração do 25 de Abril, viu Paulo Portas a piscar o olho na direcção de uma bancada. Ora, sabendo nós que a esmagadora maioria dos deputados da Assembleia da República é do sexo masculino, isso quer dizer que o mais provável é que Paulo Portas estivesse a piscar o olho a... Não. Não pode ser. O Paulo Portas lá piscaria o olho a outro homem. "Pronto. Era isto que eu tinha para dizer. Já disse. Está feito. Agora não se fala mais nisso". MG
posted by Gato 1:19 da manhã

IRONIAS: É impressão minha ou, no caso Universidade Moderna, o Ministro da Defesa é péssimo a defender-se? MG
posted by Gato 1:00 da manhã

A JUSTIÇA QUE NÃO TARDA: Pode-se dizer muita coisa sobre Cuba, mas não se pode acusar o sistema judicial cubano de ser tão lento quanto o nosso: os dissidentes presos a 18 de Março já estão julgados, condenados e a cumprir as penas a que foram sentenciados. Em Portugal, os nossos tribunais eram bem capazes de deixar o caso prescrever... ZDQ
posted by Gato 12:22 da manhã

segunda-feira, abril 28, 2003

VÃO TRABALHAR, MALANDROS! Portanto, eu estava no Chiado. Eu e metade da população de Lisboa. Ora, é verdade que está solinho e tal, mas esta gente não trabalha? Sim, eu também lá estava. Mas eu vivo de rendas e de avenças. Será que há assim tantos proprietários? Não me parece. ZDQ
posted by Gato 4:28 da tarde

NOVA DEMOCRACIA: No Chiado, passei por uma “lojinha” da Nova Democracia. Pediam-se assinaturas. Como é óbvio, entrei e assinei. Qualquer contributo para animar a vida política portuguesa é pequeno. Além disso, a Nova Democracia vem cumprir um desígnio honrado, que é o de justificar a existência (e actividade laboriosa, e ecletismo, e zelo) do Bloco de Esquerda. Sim, sejamos sérios: até agora, em Portugal, ninguém atacava os homossexuais, os pretos, os pobres ou os imigrantes com a insistência e fúria que a verve bloquista leva a crer. Vai dar molho. ZDQ
posted by Gato 4:20 da tarde

SAUDADES DE CASA: Parece que a aventura do Toni como treinador de uma equipa de futebol chinesa está a acabar. Uma fonte próxima do técnico disse que ele deve abandonar o cargo por ter receio da pneumonia atípica, porque não tem condições de trabalho e porque a cerveja chinesa não se compara com a nossa imperial. TD
posted by Gato 3:01 da tarde

INVALIDEZ: Não percebo a razão de tanta problemática em torno da reforma dos partidos políticos, quando a solução está no próprio enunciado do problema: reforma compulsiva e imediata para todos os partidos políticos, por terem chegado ao fim da sua vida activa. TD
posted by Gato 2:37 da tarde

EL PIBE: Já comprei as memórias de Gabriel Garcia Márquez, Viver Para Contá-la. Ali ao pé, na Argentina, Diego Maradona também está a ultimar as suas memórias, com um título parecido: Viver Para Snifá-la. MG
posted by Gato 1:50 da tarde

VERSOS QUE NÃO NOS SALVAM: Que Paulo Portas tenha sido colaborador da quadrilha da Moderna, eu perdoo. Que tenha cometido perjúrio, desculpo sem condição. Que tenha recebido dinheiro que não declarou, por mim está absolvido. Paulo Portas devia ter sido demitido por, durante o desempenho de funções de Estado, ter composto este poema:

O dr. Louçã marca a pauta
O dr. Carvalhas entusiasma a malta
E o dr. António Costa faz o que falta.

Paulo Portas, in Poesias Completas

O que lhe vale é que isto é uma república das bananas. RAP

posted by Gato 1:11 da manhã

BACH ASSASSINADO: Ao contrário do que muita gente crê, Bach foi assassinado. Eu vi, com estes que a terra há-de comer. Homicida: Duarte Lima. Local do crime: Programa da Bárbara Guimarães na Sic Notícias. MG
posted by Gato 12:03 da manhã

Powered by Blogger

 

Um blog com opiniões, nenhuma das quais devidamente fundamentada. Mantido por: Tiago Dores, Miguel Góis, Ricardo de Araújo Pereira e Zé Diogo Quintela. E-mail: gatofedorento@hotmail.com

Past
current